segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Só para corajosos

  É pau, é lama, é a Caprius Cross Country

Paulo Rogério
Jornalista e corredor


Subida da mais de 15 metros exigiu esforço logo no início da corrida. Fotos:Facebook Caprius

  
   A opinião foi unânime - e ofegante. A 30º Corrida Caprius Cross Country, prova que abriu a temporada de corridas no Ceará, foi a mais difícil dos últimos anos. E também aquela que exigiu maior disposição e preparo físico dos mais de 450 corredores que disputaram, no último domingo (31) pela manhã, nas dunas da Sabiaguaba, a corrida de abertura do calendário 2016.


Atletas enfrentaram subida pouco depois da largada da prova: 
  A expectativa de encontrar lama no percurso - devido ás chuvas - já era grande durante a semana. Mas pouco se tinha ideia do cenário real que haveria pela frente. Se o Sol não apareceu, a umidade deixou muitos pontos escorregadios, principalmente dentro do trecho de mata fechada. 

  O primeiro grande desafio foi encontrar um lugar para estacionar. As ruas próximas ficaram lotadas e muita gente parou o carro onde não devia. O resultado não podia ser outro. Vários carros ficaram atolados na areia e, para quem já havia corrido 7km na areia, o jeito foi buscar forças para empurrar os automóveis e ajudar os colegas.


Desafios

Dada a largada, a inversão do tradicional circuito, pegou muitos de surpresa. Depois de 800 metros entre o asfalto e a areia, veio a primeira duna. E a maior delas, logo de cara. Quem estava frio se aqueceu com a subida de quase 15 metros. De longe a cena parecia de um monte de formiguinhas coloridas subindo uma montanha de açúcar.
Fila para entrada na trilha da mata: 20 minutos de espera

   Para a maioria a solução não foi correr subindo, mas sim escalar. Mãos e pés valiam para ajudar a vencer o obstáculo. Depois, veio um trecho reto de cerca de 200 a 300 metros e outra duna. Menor é verdade, porém mais íngreme. A parte inicial e mais difícil veio em seguida.


   Uma fila
- sim, uma fila de cerca de 80 pessoas - se formou no meio da corrida. Coisa inédita para mim. A demora oscilou de 15 a 20 minutos para entrar na única trilha que dava acesso a mata fechada. Ali, plantas,
 troncos caídos e buracos - um deles de meio metro - interrompiam a trilha. Eis a culpa do engarrafamento. Mesmo assim casos de entorse e de cortes na perna foram registrados. Um corredor mais afoito quebrou a perna em um trecho mais sinuoso.

                                                                Cenário
Apesar do esforço, clima foi de descontração
  
Passados esses desafios iniciais, e enquanto a turma da "elite" já chegava com 30 minutos de prova, a maioria enfrentava o asfalto e trilhas mais suaves entre chácaras, vacarias, pequenas vilas, lagos com água até o tornozelo e novamente a areia e pequenas dunas. Nada que tirasse a empolgação. Para quem não se preocupou com tempo, uma corrida ideal para bater fotos,fazer amizades e avaliar o treino para o restante do calendário de corridas.

   Para quem não foi, fica o convite para a próxima prova do Circuito, marcada para dia 26 de junho, também na Sabiaguaba. Obviamente em outro percurso desafiador, pois no cross country a surpresa é o que conta. 

   O vencedor do desafio foi José Mario Rodrigues, com 29m36, seguido por Manoel Sales Adriano, com 31m11. No feminino, o titulo ficou com Raimunda Cordulino com 40m19s. 
  
  O resultado geral pode ser conferido no link bit.ly/1PML7r8

2 comentários:

  1. Foi show Paulo, você e Danilo estão na matéria da corrida em nosso site. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela matéria, top. Adoro todas as provas de aventuras da Caprius, aliás foi a partir dessas provas que alcei voo para conhecer as corridas de montanhas e trail run.

    ResponderExcluir